Estilo de Vida

Como lidar com o complexo de inferioridade?

Como resolver isso?

Esta é uma questão que parece boba, mas não é. Extremamente importante, muitas pessoas sofrem com isso. E esta é a razão de eu escrever algo que de repente pode te auxiliar com este sentimento.

Em primeiro, devo dizer que se você está lendo este texto muito provavelmente você sofra com esse complexo, conhece alguém que sofrer, e, portanto, desejar auxiliar ou está fazendo apenas uma pesquisa. Mas o fato é, tu tens interesse no tema por algu m desses ou até mesmo outro motivo.

Mas vamos para definições gerais sobre esse termo, para nos direcionarmos a um caminho mais reflexivo filosófico da questão.

Quem cunhou, ou melhor, criou o termo Complexo de Inferioridade foi Alfred Adler,  psicólogo austríaco fundador da psicologia do desenvolvimento individual, que também foi seguidor de Freud. Como muitos discípulos de Freud,  posteriormente ele se desligou por discordar de algumas ideias do pioneiro da psicanálise.

Em suma, o que podemos dizer é que Adler acreditava que este sentimento, o complexo de inferioridade, era inerente ao homem, e nascia do meio em que a criança crescia.

Adler defendia que é fundamental entender o meio em que uma pessoa cresceu para compreender melhor como esse sentimento surgiu.

Em outras palavras, segundo ele, o complexo de inferioridade está conectado com o meio em que a criança se desenvolve, ao comportamento dos pais com relação a ela – estes devem evitar discursos negativos e depreciativos, bem como o costume de destacar os deslizes dos filhos. Em suma, isso diz respeito à presença de determinados defeitos físicos, que provocam muitas vezes zombarias e ironias alheias, a restrições mentais deste ser e também a níveis sociais desvantajosos.

Diante disso, deixamos aqui 3 dicas fundamentais para você lidar com este complexo.

Procure ao máximo evitar as comparações. Eu sei que é tentador, mas ficar se comparando com quem quer que seja não o fará se sentir melhor, porque o mundo é plural, as pessoas são completamente diferentes, possuem necessidades, desejos e históricos de vidas diferentes.

Teu mundo é o teu mundo. Volte teus olhos para dentro, como diria Carl Jung.

A segunda dica que eu gostaria de deixar aqui é a seguinte. Tente compreender o  seu histórico de vida e a origem de seu sentimento de inferioridade. Por qual motivo se sente inferior? Estude quais são as  suas dificuldades e procure enfrentar cada uma delas. Não é fácil! Mas olhe para os monstros secretos e suas feridas clandestinas, como diria Foucault.

 Por fim, acredito que seja o essencial dentro deste tópico aqui sobre enfrentar o complexo de inferioridade.

Procure enfrentar o medo, sentimentos cinzentos que te colocam no mesmo lugar. É  urgente lidar e enfrentar o medo que as pessoas ou situações provocam e compreender que a percepção de si mesmo está baseada na consequência de fatos que já passaram. Você não consegue mudar seu passado (essa coisa que não existe mais), contudo, olhar para o presente de maneira responsável, certamente irá te colocar em uma nova zona, a da mudança!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo