Notícias

Esses pensamentos de Schopenhauer que podem transformar sua vida

O pai do pessimismo tem muito a nos ensinar

O titulo deste artigo parece bem chamativo daqueles tipos de textos que só prometem e não dizem nada. Mas garanto que o que irei falar com vocês aqui não se trata apenas de uma filosofia de autoajuda barata, e sim, lições preciosas de grandes mestres da filosofia que podem auxiliar no nosso desenvolvimento pessoal.

A título de conhecimento sobre o filósofo que nós estamos falando: Arthur Schopenhauer ( para aqueles que são mais íntimo tio Schop) foi um filósofo alemão do século 19, influenciado pela filosofia oriental, e que também exerceu forte influência Nietzsche, Freud, Kierkegaard, Tolstói, no aclamado Machado de Assis e  sim, também no gênio Einstein.

Foi fortemente conhecido no ocidente como o pessimista dos pessimistas na filosofia, a trajetória de sua vida é marcada por enormes sofrimentos, sua mãe o odiava, sem falar dos diversos fracassos acadêmicos antes de sua ascensão intelectual na Alemanha. Com isso, ele desenvolveu um grande apreço pela solidão.

Separamos alguns pensamentos dele que certamente ajudarão você a repensar sua vida em termos práticos, não apenas de maneira conceitual.

Schopenhauer  e o que ele nos ensina sobre solidão

A solidão é a sorte de todos os espíritos excepcionais.”

É uma frase muito conhecida do nosso tio Schop. Veja só o que ele fala:

“Quando mais jovem, dizia, “minha tendência era ser sociável, mas depois, aos poucos, adquiri um gosto pela solidão, fui ficando pouco sociável e resolvi me dedicar inteiramente a mim pelo resto dessa vida fugaz”.

A frase abaixo, nós estamos sempre falando em nossas redes sociais @martelo_nietzsche, diz respeito a você transformar o vazio em algo mais sublime e elevado, a partir de uma reflexão sobre suas contradições!

– “Quem, portanto, não ama a solidão, também não ama a liberdade: apenas quando se está só é que se está livre […] Cada um fugirá, suportará ou amará a solidão na proporção exata do valor da sua personalidade. Pois, na solidão, o indivíduo mesquinho sente toda a sua mesquinhez, o grande espírito, toda a sua grandeza; numa palavra: cada um sente o que é.”

Por fim, nós encerramos com as seguintes reflexões abaixo que nos faz pensar sobre solidão e sociedade. Qual a relação disso no convívio do coletivo nesta era pós-moderna, pós-verdade, negacionista tecnológica que vivemos.

O que torna as pessoas sociáveis é a sua incapacidade de suportar a solidão e, nela, a si mesmos.”

A solidão concede ao homem intelectualmente superior uma vantagem dupla: primeiro, a de estar só consigo mesmo; segundo, a de não estar com os outros. Esta última será altamente apreciada se pensarmos em quanta coerção, quanto dano e até mesmo quanto perigo toda a convivência social traz consigo.”

Gostou das reflexões? Deixe um comentário! Compartilhe com amigos!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo