‘O vírus é muito mais devastador nas favelas’, diz presidente da CUFA-MG sobre o coronavírus

0
460

O presidente da Central Única das Favelas em Minas Gerais (Cufa-MG), Francis Henrique, disse em conversa ao portal G1, nesta sexta-feira (27), que um caso de coronavírus já foi confirmado no Aglomerado da Serra, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, e a contaminação tem preocupado alguns moradores.

“A gente percebe que muita gente está levando a sério as orientações do Ministério da Saúde, mas muitos moradores das favelas ainda não acreditam que a doença é real e está alcançando os números apresentados. Tem muita gente descrente, que acaba deixando de fazer a higiene necessária e não mantém o isolamento social”, contou.

Francis ainda alertou que, no Brasil, 46 milhões de pessoas estão na informalidade e fora do cadastro geral do governo.

“Estas pessoas não aparecem na linha da pobreza. A preocupação tem que ser com estas famílias que estão em casa perdendo renda da noite para o dia. Muitos não vão resistir até o dia 10”.

Outra preocupação é a distância entre as casas, que facilita a transmissão da doença. Vizinhos ficam muito próximos e a concentração de pessoas em espaço pequeno é alta.

Sobre o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, na terça-feira (24), Francis considerou:

“Criminoso. Vai contra a ciência e a recomendação dos órgãos mundiais. Temos que seguir os padrões estabelecidos. Para a gente saber se estes padrões podem ser modificados ou adaptados em países diferentes é melhor evitar a contaminação em massa. O vírus é muito mais devastador nas favelas”.

Onde tem comércio mais ativo, Francis disse que vê mais pessoas nas ruas e que as favelas não mudaram muito a rotina.

“Higienização tem que ser permanente. Precisamos de recursos e donativo. Tem favela que nem água potável tem. Esta necessidade é histórica, não há acesso a alimentação adequada. Em tempos de crise tudo isso multiplica muito”, alertou.

A empregada doméstica Alcione Keler Machado mora no Morro do Papagaio, também na Região Centro-Sul de BH, com duas idosas, e prefere o isolamento domiciliar. “Quero garantir a saúde da minha mãe e da minha tia. Tem líder comunitário fazendo campanha para as pessoas ficarem em casa e eu espero que todos obedeçam. Já conversei com a minha patroa e pretendo ficar o mês de abril todo em casa”, concluiu.

Casos em Minas

O governo de Minas informou que investiga oficialmente 28 mortes decorrentes da doença no Estado. Nenhum óbito foi confirmado em Minas até esta sexta-feira (27).

A SES explica que óbitos em investigação são “óbitos suspeitos de Covid-19 que aguardam a realização de exames laboratoriais e levantamento de informações clínicas e epidemiológicas”. Segundo a pasta, até o momento foram notificados 33 óbitos suspeitos, sendo cinco descartados.

Ao todo, Minas Gerais possui 189 casos confirmados de coronavírus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui