RESPOSTA: EUA contra-atacam grupo apoiado pelo Irã que atingiu base do Iraque

Os EUA bombardearam cinco depósitos de armas das milícias xiitas apoiadas pelo Irã no Iraque. Os atentados, segundo o Pentágono (Departamento de Defesa dos Estados Unidos), foram uma retaliação por disparos de mísseis por essas milícias da Base da Força Aérea de Taji, a noroeste de Bagdá, onde dois americanos e um britânico foram mortos na quarta-feira (11).

Autoridades dos EUA disseram que vários ataques de caças atingiram cinco locais e atingiram principalmente instalações de armas do Kataib Hezbollah no Iraque. Um comunicado do Departamento de Defesa disse que os ataques atingiram cinco instalações de armazenamento de armas “para degradar significativamente sua capacidade de realizar ataques futuros”.

Os ataques marcaram uma rápida escalada de tensões com Teerã e seus grupos de aliados no Iraque, apenas dois meses depois que o Irã realizou um ataque maciço de míssil balístico contra tropas americanas em uma base no Iraque. Eles vieram apenas horas depois que os principais líderes de defesa dos EUA ameaçaram retaliar o ataque de foguete de quarta-feira, deixando claro que sabiam quem o fez e que os agressores seriam responsabilizados.

“Os Estados Unidos não tolerarão ataques contra nosso povo, nossos interesses ou nossos aliados”, disse o secretário de Defesa Mark Esper. “Como demonstramos nos últimos meses, tomaremos as medidas necessárias para proteger nossas forças no Iraque e na região”.

A declaração do Pentágono disse que as instalações atingidas pelos ataques de precisão foram usadas para armazenar armas usadas para atacar as forças dos EUA e da coalizão. Ele chamou o contra-ataque de “defensivo, proporcional e em resposta direta à ameaça” apresentada pelos grupos de milícias xiitas apoiados pelo Irã.

Uma autoridade dos EUA disse que houve dois ataques em Jurf al-Sakher, um em Karbala, um em Al-Musayib e um em Arab Nawar Ahmad. O funcionário disse que os EUA esperavam que as baixas fossem inferiores a 50 e disse que o principal esforço era acertar as armas.

Os funcionários falaram sob condição de anonimato, porque alguns detalhes sobre as operações ainda não haviam sido divulgados.

Um funcionário das Unidades Paramilitares de Mobilização Popular disse à Associated Press que dois policiais federais iraquianos foram mortos em Jurf al-Sakher. Uma declaração militar iraquiana disse que a “agressão” aérea ocorreu na madrugada, nas áreas de Jurf al-Sakher, Al-Musayib, Najaf e Alexandria na sede das Unidades de Mobilização Popular, regimentos de emergência e comandos da 9ª divisão de o exército iraquiano.

Esper disse a repórteres no Pentágono na quinta-feira passada (12) que o presidente Donald Trump havia lhe dado autoridade para tomar as medidas que julgasse necessárias.

“Vamos dar um passo de cada vez, mas precisamos responsabilizar os autores”, disse Esper. “Eles não podem atirar em nossas bases, matar e ferir americanos e se safar.”

Na Casa Branca, Trump também sugeriu que um contra-golpe nos EUA poderia estar chegando, dizendo a repórteres: “Vamos ver qual é a resposta”. E o general do exército Mark Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, disse a repórteres do Pentágono que os EUA sabem “com um alto grau de certeza” quem lançou o ataque.

No Capitólio, no início do dia, o general da marinha Frank McKenzie, o principal comandante dos EUA no Oriente Médio, disse aos senadores que a morte de tropas dos EUA e da coalizão criou uma “linha vermelha” para os EUA, mas disse que não achava que o Irã tem “um bom entendimento de onde está nossa linha vermelha”.

Questionado se algum contra-ataque poderia incluir um ataque dentro do Irã, Esper disse: “Estamos focados no grupo que acreditamos ter perpetrado isso no Iraque”.

Duas tropas dos EUA e um membro do serviço britânico foram mortos e 14 outras pessoas ficaram feridas quando 18 foguetes atingiram a base na quarta-feira. Os militares dos EUA disseram que os foguetes Katyusha de 107 mm foram disparados de um lançador de caminhões encontrado pelas forças de segurança iraquianas perto da base após o ataque.

As autoridades americanas não disseram publicamente que grupo eles acreditam ter lançado o ataque, mas o Kataib Hezbollah, um grupo de milícias xiitas apoiado pelo Irã, foi o provável autor. E os ataques dos EUA, que ocorreram no meio da madrugada no Iraque, tiveram como alvo esse grupo.

O Kataib Hezbollah foi responsável por um ataque de foguete no final de dezembro a uma base militar em Kirkuk, que matou um americano, provocando ataques militares dos EUA em resposta.

Isso, por sua vez, levou a protestos na Embaixada dos EUA em Bagdá. Eles foram seguidos em 3 de janeiro por um ataque aéreo dos EUA que matou o terrorista e oficial militar mais poderoso do Irã, o general Qassem Soleimani, e Abu Mahdi al-Muhandis, líder das milícias apoiadas pelo Irã no Iraque, das quais o Kataib Hezbollah é membro. Em resposta ao assassinato de Soleimani, o Irã lançou um massivo ataque de mísseis balísticos em 8 de janeiro, na base aérea de al-Asad, no Iraque, o que resultou em lesões cerebrais traumáticas em mais de 100 soldados americanos.

McKenzie disse ao Comitê de Serviços Armados do Senado na manhã de quinta-feira que o assassinato de Soleimani e o aumento de tropas e ativos dos EUA na região deixaram claro para o Irã que os EUA defenderão seus interesses lá.

 

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar

Opsss...

Olá, foi detectado um bloqueador de anúncios, por favor deixe aparecer os banners e nos ajude a manter o site em funcionamento. Toda renda dos anúncios são convertidos em conteúdo para você leitor.