Sérgio Cabral acusa Vital Filho e Napoleão Maia de corrupção

A revista Crusoé publica nesta semana uma matéria a respeito da delação premiada do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. No depoimento, ele citou o ministro paraibano Vital do Rêgo Filho, do Tribunal de Contas da União (TCU) e acusou-o de receber repasses mensais em troca de “proteção” nos processos que tramitam naquela corte.

A partir de sua parceria com outro alvo da Operação Lava Jato, o ex-presidente da Fecomercio, Orlando Diniz, Sérgio Cabral lança suspeitas sobre negócios escusos na cúpula do poder judiciário e enreda dois ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em esquemas de corrupção do qual participou. Um deles é Napoleão Nunes Maia, o mesmo que concedeu o habeas corpus ao ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB). O outro é Humberto Martins.

Sobre Vital do Rêgo, Cabral afirma que ele teria recebido junto com outro ministro, Bruno Dantas, repasses para “proteger” Orlando Diniz em processos que tramitavam naquela corte. A matéria narra ainda que Vital foi citado em outros acordos de colaboração da Lava Jato e virou alvo de investigação na Procuradoria Geral da República. Uma delas, sobre o suposto recebimento de propina à época em que era senador foi arquivada pelo STF. Mais recentemente, em novembro de 2019, o ministro foi intimado a depor em uma investigação sobre pagamentos de propinas pela JBS.

Cabral também contou a respeito de esquemas que tinham como objetivo preservar interesses de Diniz em processos no STJ e TCU. Segundo ele, Orlando Diniz contratou por R$ 20 milhões o escritório do advogado Eduardo Felipe Martins, filho do ministro Humberto Martins, do STJ, e atual corregedor nacional de justiça. O “serviço” acertado com Eduardo, segundo o ex-governador, seria uma decisão favorável por parte de outro ministro, Napoelão Nunes Maia. Dias depois da entrada de Eduardo no processo, Napoleão concedeu uma liminar favorável a Orlando no processo que era movido contra ele pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) (CNC), que controla o Sesc Nacional. A confederação acusava-o de cometer irregularidades na administração do Sesc Rio. Orlando foi reconduzido ao controle da Fecomercio em maio de 2014, depois da decisão de Napoleão Maia.

NO TCU, o procedimento seria semelhante. A contratação teria sido do escritório de Tiago Cedraz, filho do ministro Aroldo Cedraz, por R$ 13 milhões. Além disso, Orlando Diniz teria se reunido com os ministros Bruno Dantas e Vital do Rêgo para acertar a ajuda deles em processos.

Vital do Rêgo disse que não iria comentar as acusações de Sérgio Cabral, descrito por ele como alguém “com reiteradas condenações criminais”.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar

Opsss...

Olá, foi detectado um bloqueador de anúncios, por favor deixe aparecer os banners e nos ajude a manter o site em funcionamento. Toda renda dos anúncios são convertidos em conteúdo para você leitor.