Categorias
Política

Resolução do governo Doria pode inflar número de mortos por coronavírus

Determinação do governo Doria pode abrir brecha para inflar registros de vítimas do coronavírus em São Paulo.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, uma controversa resolução da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo determina que:

“Qualquer cadáver, independentemente da causa da morte ou da confirmação de exames laboratoriais, deve ser considerado um portador potencial de infecção por Covid-19.”

O texto foi publicado nesta sexta-feira (27) no Diário Oficial do Estado, mas foi assinado no última dia 20 de março. Confira a íntegra.

Para especialista da área ouvido pelo site O Antagonista, essa determinação pode abrir brecha para inflar registros de “vítimas do Covid-19”.

A norma ainda estabelece:

“Todo cadáver, com suspeita ou não de infecção pelo Covid-19 (novo Coronavírus), em ambientes extra ou intra-hospitalar, sem nenhum indício ou suspeita de crime, ficará sob responsabilidade do Serviço de Verificação de Óbitos do Município (SVOM).”

O governo João Doria afirma que as regras são para “resguardar a saúde dos servidores da perícias criminal oficial, quanto para reduzir as possibilidades de contágio e disseminação da doença”.

Os médicos que atuam nas dez ambulâncias de Suporte Avançado de Vida (SAV) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e os do Grupo de Resgate e Atenção às Urgências e Emergências (Grau) da capital paulista passarão a atestar mortes naturais, indefinidas e causadas pela Covid-19 ocorridas fora dos hospitais.

“Os profissionais do Samu foram avisados sobre a nova função em reuniões ocorridas nesta semana com a coordenação do serviço, mas ainda não há uma data para iniciarem o trabalho”, diz o jornal. A Folha alega ter tido acesso ao conteúdo discutido nos encontros.